Mexilhões em cordas, criados em mar aberto: "É um processo completamente natural" DR

Portugal é o primeiro país mediterr...

Certificação internacional pioneira obtida por empresa do Algarve é a segunda no país, depois da sardinha. Sabem bem os mexilhões do Algarve? Ent...

An environmental activist dressed as a lobbyist, his hands covered in coal, protested in Brussels in October. Europe has agreed to cut greenhouse gas emissions by 40 percent from 1990 levels by 2030. Credit Francois Lenoir/Reuters

Testing the Limits of European Ambi...

The European Union has long been a world leader on climate change, and its new agreement to cut greenhouse gas emissions 40 percent from 1990 levels...

Homem no Ibirapuera se refresca do calor, em São Paulo
NOAA/AFP/Arquivos, da AFP

10 primeiros meses do ano são os ma...

Os dez primeiros meses de 2014 foram os mais quentes do planeta desde que foram iniciados os registros de temperatura em 1880, informou nesta quinta...

Workers make wind turbine blades at Senvion Portugal.
ABC: Emily Stewart

Portugal switching to greener energ...

Portugal has a population of just 11 million people but it is punching above its weight in renewable energy industries. Almost 60 per cent of i...

Portugal é o primeiro país mediterrânico com mexilhões sustentáveis

Certificação internacional pioneira obtida por empresa do Algarve é a segunda no país, depois da sardinha.

Sabem bem os mexilhões do Algarve? Então agora saberão melhor: a sua produção acaba de ser declarada sustentável pela mais importante organização internacional da área. Ou seja, em tese, podemos comê-los com a certeza de que a sua cultura não está a poluir o mar ou a dar cabo da própria espécie.

Mexilhões em cordas, criados em mar aberto: "É um processo completamente natural" DR

Mexilhões em cordas, criados em mar aberto: “É um processo completamente natural” DR

É a segunda pescaria portuguesa a ser certificada com o selo do Marine Stewardship Council (MSC), uma organização sem fins lucrativos. Os mexilhões seguem os passos da sardinha, que obteve a mesma certificação em 2010, mas agora suspensa.

A iniciativa partiu da Companhia de Pescarias do Algarve, uma empresa que está prestes a completar 150 anos de existência. “É uma certificação que achamos que valia a pena”, afirma António Farinha, presidente do conselho de administração. O selo de sustentabilidade, explica António Farinha, é importante para se conquistar mercados exigentes, como os do Norte da Europa e América do Norte.

E a empresa quer precisamente tornar-se no maior fornecedor de mexilhões para a Europa e num dos maiores exportadores do mundo.

O que faz do mexilhão do Algarve sustentável é sobretudo a forma como é criado. As “sementes” – como são conhecidos os juvenis de bivalves – foram recolhidas manualmente nas rochas do litoral da região. O processo é feito uma só vez.

Os juvenis são então largados sobre linhas que pendem de longas cordas, às quais os mexilhões agarram-se e se desenvolvem. Submersas, ocupam uma área de cerca de mil hectares em mar aberto, uma milha marítima (cerca de 1,8 quilómetros) ao largo da ilha da Armona, em Olhão.

À parte a manutenção diária da própria estrutura, não é preciso fazer mais nada. “É um processo completamente natural, não damos qualquer alimento, qualquer antibiótico”, explica António Farinha. “A qualidade da água é tal que permite ter mexilhões em cinco a seis meses”, completa o responsável da empresa.

Os animais reproduzem-se naturalmente, não é preciso voltar a “semeá-los”. E as próprias cordas acabam por funcionar como uma espécie de recife de coral, onde outras espécies marinhas vão-se alimentar, incluindo peixes com interesse comercial como douradas e gorazes.

O processo parece ser simples, mas conseguir o selo de sustentabilidade não foi fácil. O processo implica garantir que o stock do recurso permanece estável, que não há impacto no ecossistema e que a pescaria é gerida com as melhores técnicas ambientais. E tudo tem de ser confirmado por auditorias independentes do MSC, já que a entidade apenas fixa as normas. “O processo de certificação levou um ano”, diz António Farinha. O resultado é hoje celebrado numa cerimónia em Olhão.

Com várias delegações em todo o mundo, o MSC já certificou até agora 246 formas de pesca e tem mais 106 em avaliação. O foco são as artes de captura de animais em meio natural. Os mexilhões são um caso particular, pois podem ser criados praticamente sem intervenção humana, a não ser associá-los a um suporte. “É uma pescaria que está entre a aquacultura e a pesca selvagem”, afirma Laura Rodríguez, responsável do MSC para Portugal e Espanha.

Além das pescarias em si, o selo pode ser usado nos produtos que dela resultam. Na prática, o rótulo significa que aquele produto – uma conserva, por exemplo – provém de uma pescaria certificada e seguiu uma cadeia também alvo de certificação até chegar ao consumidor final.

“O objectivo da certificação é ambiental. Mas é também um incentivo comercial para os produtores”, explica Laura Rodríguez.

A Companhia de Pescarias do Algarve espera, por exemplo, utilizar o selo em patês e conservas de mexilhão, bem como no mexilhão congelado, com o qual quer competir no mercado internacional, dominado por países como Nova Zelândia, Espanha e Chile.

Em Portugal, há 39 empresas – sobretudo conserveiras, que processam pescado certificado como sustentável – autorizadas a utilizar o selo do MSC. No mundo todo, são mais de 25 mil produtos comercializados com o selo.

Pescarias em si, são apenas duas no país. A pesca do cerco à sardinha foi a primeira a obter a certificação, em 2010. Mas a espécie tem sofrido altos e baixos na sua população reprodutora. Em Janeiro de 2012, a certificação foi suspensa, porque não havia sardinhas suficientes para garantir a sustentabilidade do recurso a longo prazo. Retomada um ano depois, a certificação voltou a ser suspensa em Agosto passado, pelo mesmo motivo.

Os mexilhões do Algarve são os primeiros da espécie Mytilus galloprovincialis – comum nas águas dos países mediterrânicos – a serem certificados em todo o mundo. Outras espécies já estão certificadas no Norte da Europa (Mytilus edulis) e no Chile (Mytilus chilensis).

O objectivo último da certificação é permitir que o consumidor opte por produtos mais sustentáveis, garantindo assim a saúde dos oceanos. Mas o próprio sistema tem um limite: quando a maioria das pescarias tiver o rótulo, o incentivo comercial para enfrentar o processo deixará de existir.

“Oxalá cheguemos a este ponto”, exclama Laura Rodríguez. “Mas ainda estamos longe desta situação”. Neste momento, apenas 10 em cada 100 quilos de peixe capturados nos oceanos ostentam o selo de sustentabilidade.

Autor: RICARDO GARCIA
Fonte: Público
Original: http://goo.gl/VGqdeE

GLOBAL COLIBRI - Engineering and Consulting